sábado, maio 20, 2006

Episódio 5.01 [ 2006 – A Space Odyssey ]

De vez em quando a gente se sente um pouquinho perdido. Mas só um pouquinho. Não estou o que se pode chamar de triste, tenho ainda amigos sinceros e tenho coragem de continuar vivendo sem ligar pra opinião daqueles que não pagam as minhas contas.
De repente eu paro pra pensar e percebo que estou em Belo Horizonte, estudando na Universidade Federal de Minas Gerais. Será que eu estou mesmo pronto pra tudo isso. Eu acabei de fazer 18 anos e ainda tem tanta coisa que eu não sei. Tem tanta coisa que eu já poderia ter vivido e não vivi por falta de coragem ou comodismo. Eu sei, já falei sobre isso antes, mas o que fazer quando o sentimento não vai embora e fica te incomodando, entrando pela sua janela à noite?
Quase não tenho mais tempo para me dedicar ao blog; acho que também estou perdendo o talento de escrever algo que faça sentido. Toda semana é uma avalanche de trabalhos, apresentações e provas, o que me faz me perguntar se vai ser assim pelos próximos 4 anos. Mas isso me traz uma conclusão válida: estou sendo avaliado o tempo todo. Mais do que nunca eu preciso atentar para as críticas – quais eu devo acolher e quais eu devo ignorar. Talvez eu não seja tão indiferente assim às opiniões alheias. Senão eu não tentaria impressionar.
Tenho saudades da época em que eu escrevia sobre alguma coisa, sobre algum sentimento, sobre alguma descoberta. Meus posts agora são sobre nada em especial, apenas sobre coisas que ninguém entende (e nem se esforça para entender) além de mim. É possível que na vida de um cara que acabou de se mudar para uma cidade 10 vezes maior e acabou de entrar na faculdade não esteja acontecendo absolutamente nada que mereça ser escrito?
Minha vida costumava ser um seriado. O problema é que hoje nem os seriados parecem ter finais felizes. O Seth do The OC está viciado em maconha e a Marissa morreu no último episódio da terceira temporada. E morreu também mais uma das minhas esperanças de que tudo dê certo no final.
Não consigo enxergar uma cor na minha vida. Nem cores de Almodóvar nem cores de Frida Kahlo. Eu preciso de respostas urgentes.

Soundtrack: Champagne Supernova, by Matt Pond PA

2 comentários:

The Sweetheart. disse...

COMO assim nem cores de Almodovar???
A minha falta de saco para com a vida em que eu estive na semana passada contagiou my beautiful thing!!! [Le meu ultimo post depois e ve se vc nao quer se matar com ele].
E pra isso tudo eu REALMENTE te indico o filme Minha vida sem mim... a mulher descobre que vai morrer e começa a ver beleza até onde não tem.
Por favor nao se mate de chorar depois porque vou me culpar por isso.
Nem sei o que te dizer... eu te amo, vc é um dos amigos mais tudo que eu tenho no mundo e espero que isso faça diferença, tá??
Nao queira largar tudo aos 18 pq vc lutou HORRORES pra chegar aí... e ao contrario de 90% do mundo vc espera alguma coisa da vida além de dinheiro... então fica feliz por nao ser mais uma mente medíocre com uma vida razoável e sem paixão.

Eu falei "COMO assim sem cores de Almodovar" pq eu usei a mesma expressao no mesmo post infeliz que eu fiz quase com as mesmas palavras... que coisa....

Smile, my dear.

henrique disse...

o.O'
pq vc contou o final da terceira temporada de The OC no blog? agora eu li..... mas acho q nao assistiria mesmo...
enfim, nao eh pq a tv diz q vc nao pode ser feliz q vc nao possa, certo?
qnto a coisa de escrever e oq ser escrito eu to sentindo a mesma coisa agora... acho q antes as coisas pareciam estar mais perto, pq vc se encontrava mais proximo as pessoas, as suas historias... agora parece q todo mundo eh estranho e distante, eh esquisito isso... sei la, vc entendeu oq quis dizer?
esquece entao.....
bem...
at qlqr dia,
abraços fi, em julho a gente se tromba! t cuida hein?