quinta-feira, setembro 07, 2006

Episode 5.12 [ Home Alone ]

Episode 5.12 [ Home Alone ]

ou "Pra onde a mente vai quando se está sozinho"

Quando estamos sozinhos em casa é que conseguimos finalmente chegar mais perto de nós mesmos. E isso significa bem mais do que decorar o que a imagem no espelho quer dizer. Sozinhos, não há de quem esconder nossos defeitos. Então eles vêm à tona e você nem pode pensar em negar. Você não pode mentir pra você mesmo e qualquer máscara cai. Só sozinho é que se pode fazer seus próprios planos, sonhar e amar.
Ficar sozinho nesse apartamento em BH não é tão fácil, porque não há com o que se distrair. Me obrigo o tempo todo a me enfrentar e perco todas as lutas. Mas quem disse que eu não posso ser o que eu quero ser?
Aqui sozinho, depois dessa mostra de Cinema, eu penso que até gostei daquele road movie que me pareceu inicialmente um clichê gigante. Acho que tenho uma queda por ritos de passagens. Passei tantas horas sentado olhando para aquela telona imaginando se aquelas pessoas realmente passaram pelas mesmas coisas que eu. Tantos dilemas, tantas questões e nenhuma disposição pra responder (desconfio que essa preguiça ainda vai me prejudicar um bocado).
Será que aqueles tipos na tela são capazes de sonhar? O que a garota muçulmana do filme francês pensa enquanto dorme? O que o jovem louco por diversão do filme espanhol que ser na vida? O que afinal aconteceu com o casal do filme de Taiwan? "Que bobagem! Os personagens não existem além da cabeça do roteirista!"
Discordo plenamente. Eu sou um personagem e existo.

Cansei de tentar ser cult ou entender o que é ser cult. Cansei de ser qualquer coisa que alguém tenha um nome para definir. Porque todo cult é um pseudo e todo rótulo é limitado e burro. Só aceito um rótulo: o de sonhador.

(acho que tenho uma pedra no rim direito. ou talvez seja mais uma alucinação do tédio... como esse post ignorável)

Home Alone - Esqueceram de mim: Esse filme com o Macaulay Culkin despensa qualquer apresentação. Todo mundo vivo já viu esse aí ou já ouviu falar, principalmente naquela programação de fim de ano da globo. Bem, é isso. Catherine O'Hara, Joe Pesci e mais um bocado de gente engraçada.

Soundtrack: Thank you for loving me, by Bon Jovi

*escrito na semana passada

6 comentários:

the sweetheart: eu viraria agua corredeira abaixo por tua causa, baby! =D disse...

oh damn it.
I LOVE YOU!
that's all i can say after this, sorry if it's incomplete.

again disse...

.. e a carinha do "baby" saiu errada.

Padeira disse...

A praia é uma demonstração do que a vida é. A onda vai e vem e é sempre assim. Às vezes a maré tá cheia e muitas vezes a água colide com as rochas e faz. Splaft... O que é que vpcê faz quando descobre quem é? COntinua sonhando para sempre feito branca de neve ou continua um sonhador, mas que luta e sabe seu papel social?!
Creio que por mais que você realize em sua vida, essa sensação de buscador sempre volta, principalmente se você estiver sozinho... E a vida vai mudar tanto, algumas pessoas vão morrer, alguns amigos vão sumir, outras crianças virão, mas você, embora crescido, embora realizado seja lá em que campo for, você vai chegar um dia em que estiver sozinho com seus pensamentos, e vai ver que toda essa sensação vai voltar. Meu conselho é que pensando nisso, você viva e faça tudo, sonhe e realize, pra quando isso chegar, vai te encontrar pronto pra viver este momento. Depois passa. O mundo é feito de três quartos de água e os seu quarto é verde!

Padeira disse...

E não precisa dizer, sei que no comentário acima há erro de concordância, mas quer saber... dane-se!

Du disse...

Tb ñ gosto de rótulos, mas a gente vive rotulando tudo, tem gente que ñ vive sem eles... Ficar sozinho é bom e ruim. Bom quando a gente quer, precisa. E péssimo quando queremos falar, ouvir, ou até só ficar quieto, perto de alguém.

henrique disse...

para evitar cliches acho melhor num escrever nada de util e significante