quinta-feira, dezembro 20, 2007

The Wonder Years

[ The Wonder Years ]

Já nem tento mais encontrar as palavras para descrever a minha sensação ao assistir os episódios de "Anos Incríveis". E não pela multiplicidade de sentimentos que posso desenvolver. O mérito é todo da série.Como se não bastasse que cada detalhe da vida de Kevin Arnold se pareça incrivelmente com a minha própria vida, a série ainda foi capaz de mudar todo o meu gosto musical e a minha maneira de enxergar o meu próprio crescimento e a maneira como eu passo pelos anos.

Aprendi a amar um pouco mais a minha família. E assim, a mim mesmo

Cada um de nós é um conjunto de memórias. É um álbum de fotografias. Às vezes não nos lembramos exatamente de como as coisas realmente importantes em nossas vidas aconteceram. Mas as lacunas podem ser preenchidas. Foi o que Kevin Arnold me ensinou: a imaginação existe é pra isso. Não é pecado misturar o sonho e a lembrança...

Todo mundo teve os seus "anos incríveis", mesmo que tenham apenas durado meses, ou segundos. Os anos incríveis são aqueles momentos em que você está crescendo, rodeado de pessoas que te amam. É brincar na rua com os seus amigos, mesmo que já tenham passado da idade de brincar. É beijar uma pessoa especial, como se fosse a primeira vez para ambos. É brigar com o seu irmão mais velho só para descobrir que vocês são mais parecidos do que o espelho pode dizer. É descobrir como sua mãe é especial. É perceber que aquele mau-humor que de vez em quando acomete o seu pai tem um motivo, mas que não é maior do que o amor que ele sente pela família. É brincar com um cachorro, é observar como sua irmã parece ser de outro planeta. De algum jeito, os anos incríveis têm um fim. Mas não é um fim necessariamente triste, porque ele acontece no momento em que você deixa de prestar atenção no que poderia ter sido e mira seus pensamentos no que VAI SER. Os anos incríveis terminam quando você se perdoa por crescer.

E é assim também que começa o resto da sua vida.

Eu ainda não consegui me perdoar por muita coisa que deixei de fazer na minha vida. Mas de vez em quando eu consigo olhar pra hoje, sem ignorar a importância de ontem, e sem deixar de sonhar com o amanhã. E isso eu só consigo com uma ajudinha dos meus amigos.


Citação: "time it was and what a time it was it was a time of innocence, a time of confidence is " (Simon and Garfunkel, Bookends)
Trilha Sonora: God Only Knows, by The Beach Boys

3 comentários:

Du disse...

Hey! Essa série marcou! Devia ter uns 11 anos mas eu assistia meio que escondido, achava que ñ podia assistir aquilo. E lembro que me tocava. Não era raro ao fim do episodio eu estar chorando. Achava a amizade do Kevin e do Paul linda. E aquele amor puro que ele sentia pela Winnie Cooper! Demais!
Saudades!

Anônimo disse...

Você é um cachorro!
(Michele)
E cara... eu não me perdôo, porque acho que ainda não cresci!
Ainda estou nos meus anos incríveis ou com o Rob Lowe em Para o resto da minha vida! Não pode existir uma fusão?

Anônimo disse...

O cachorro foi porque você é culpado por dar sensibilidade até pra bula de remédio. Cachorro, filho da mãe...
Você é o melhor!